Feeds:
Posts
Comentários

Archive for agosto \10\UTC 2010

O Fim de um começo

Estamos hoje no nosso último dia, esses três dias foram verdadeiras relíquias para aqueles que conseguiram adquirir e absorver conhecimento de diferentes áreas do quadrinho. Hoje começamos com a seguinte mesa “Espaço para os quadrinhos” onde tivemos como palestrante – Paulo Amoreira – CE (Gibiteca de Fortaleza), Maristela Garcia – PR (Gibiteca de Curitiba) e Jenfte Alencar e Samuel Souza – CE (Gibiteca da Casa Grande). Foi uma aula sobre as diferenças que cada gibiteca tem, sobre os projetos e formatos. Em seguida, entrou a segunda mesa de hoje “Os quadrinhos no Ceará” com os palestrantes – Klévisson Viana – CE (Tupynanquim editora), Weaver Lima – CE (Promotor de quadrinhos) e Max Krichana – CE (Colecionador de quadrinhos) e cada um contou como é desenvolvido o seu trabalho aqui no Ceará, as dificuldades que enfrentam e os desafios. Uma pausa para o almoço, e retornamos logo às duas horas, onde teve a Décima mesa  com o tema – “Núcleo de Cinema e animação do Ceará” com o expositor – Ricardo Julianni – Fortaleza – CE. Depois que falamos de animação, partimos para o desenho, chegou a hora de convidar a décima primeira mesa com o lançamento do livro “Tex no Brasil – O grande herói do faroeste” com G. G. Carsan. O livro foi lançado e veio então a hora de desenhar com o círculo de conversa sobre o traço de Klévisson Viana.  Aprendemos o um pouco sobre o desenhista Klévisson e agora é hora do encerramento. Foi chamado o presidente da Fundação casa Grande, para compor a mesa. Ele agradeceu a todos os convidados, participantes e patrocinadores, fez uma pequena brincadeira(caricatural) com os convidados, onde cada um ganhou uma nova roupa e novo corpo, e assim foi o encerramento da “Cariri Mostrando a 9ª Arte de Quadrinhos e Animação”, ao som de muitas gargalhadas e alegria. E para registrar esse momento com chave de ouro, fomos todos tirar uma foto oficial da mostra.
O Objetivo final e o desejo de cada desenhista, roteirista, gibitecário, autores, pesquisadores, representantes de editoras, participantes, festivais e convenções da Nona Arte, animações de Portugal, Brasil e Canadá, enfim, todos os que estavam presentes é que gostariam de construir uma Rede Cultural voltada especificamente para o segmento da Nona Arte, com a finalidade de fortalecer as ações em cursos, amadurecer os processos de trabalhos e possibilitar a integração das iniciativas. Diante disso, eles gostariam de marcar uma data para uma audiência com o exmo. Sr. Fabiano dos Santos, diretor do livro, leitura e literatura da Secretaria de Articulação Institucional do Minc, isso para que possam apresentar a proposta de realização de um encontro da Rede de Nona Arte. O convite foi feito e esperamos que ele seja aceito e que tenha o resultado e a resposta desejada, que de hoje em diante já possamos contar os dias para essa audiência.


Anúncios

Read Full Post »

Mesa “Promoção dos quadrinhos” com André Diniz (Site - Nona Arte), Gervásio Santana de Freitas – RS (Site- TexBR) e Sidney Gusman (Site – Universo HQ).

Chegamos ao nosso segundo dia, todos já estão familiarizados com o espaço então é hora de colocar a mão na massa. O dia começou bem cedo, corre de um lado vai para o outro, arruma isso, depois aquilo e não para, já está quase na hora dos participantes e convidados chegaram e a equipe não para, nove horas tudo tem que está pronto para recebe a primeira mesa do dia com o tema – “Promoção dos quadrinhos” com os seguintes palestrantes – André Diniz (Site – Nona Arte), Gervásio Santana de Freitas – RS (Site- TexBR) e Sidney Gusman  (Site – Universo HQ). Algum tempo depois é a hora de chamamos a sexta mesa que traz o tema – “Banda Desenhada em Portugal” com a presença de Luis Afonso – PT (Cartoonista), Nelson Dona – PT (Festival de BD de Amadora) e Paulo Monteiro – PT (Festival de BD de Beja). Chegou a hora que muitos esperavam, o almoço. Duas horas da tarde retornamos para o teatro para prestigiar o momento dos animadores, isto é,  a sétima mesa, onde abordo o tema – “Produção de animação e construção de trilha sonora para cinema de animação expositor” com os seguintes expositores – Paulo Brandão e Elizah Rodigues – BRand Estudio – Rio de Janeiro –RJ e Belinda Oldford e Daniel Schorr  – National Film Board  Of Canadá. Foi uma aula de tirar o fôlego, com vídeos e falas exuberante. Despois disso, teve a hora mais aguardada para todos os desenhistas principiantes e é clara que para os profissionais também, convidamos agora Spacca, para conversa sobro seu traço. Depois de um dia tão produtivo é hora de encerrar com o cinema de animação do Kiboj Studio (Montreal) e do BRAND Estúdio (Rio de Janeiro).

“Banda Desenhada em Portugal” com a presença de Luis Afonso – PT (Cartoonista), Nelson Dona – PT (Festival de BD de Amadora) e Paulo Monteiro – PT (Festival de BD de Beja).

Uma conversa com Spacca, sobro seu traço.

Read Full Post »

FCG – Conte um pouco sobre o seu trabalho.

AD – Eu já nasci com o vírus de quadrinhos, porque desde criança eu ainda não sabia ler mais já fazia ali meus quadrinhos. Produzia no meu caderno e colocava pra meus pais comprarem. E atualmente tenho várias publicações com roteiros meus em parceiras com outras desenhistas. E em 2008 pra cá eu me dediquei ao desenho, e já estou até desenhando. E é um trabalho maravilhoso eu gosto muito de produzir temas sobre história e contar de uma forma gostosa de ler. E já tenho vários trabalhos publicados em várias editoras.

FCG – Por que você gosta mais de desenhar temas relacionados a historia?

AD – Eu saí do colégio sem gostar da aula de história. E depois eu fui por conta própria saber quanto isso é interessante, porque as vezes os livros didáticos é muito cheio de datas e tal. E quando você vai ler com outra abordagem você vê que eram gentes como a gente, e assim você viaja no tempo, você vê as aventuras que eram naquela época, a vida das pessoas naquele tempo e foi a partir daí que eu tomei gosto, e eu passei a pegar esses temas pra escrever histórias e acho que também podia ir pra escolas, porque a melhor forma de aprender é se divertindo, e não estudo para as provas.

FCG – E em relação a mostra, qual a importância que você vê nela?

AD – Isso aqui está sendo uma lição de vida para mim. Porque as vezes a gente fica tão cético desse mundo, na cultura, na miséria em todos os sentidos, como até a miséria cultural. As pessoas prestigiam o rio de janeiro só que lá não está acontecendo um evento como esse, apesar que lá é onde fica muitas editoras. Mais essa troca de idéias não está acontecendo lá. E de repente você vê aqui essa troca de idéias tão rica, como tem pessoas de Portugal, que não foram chamadas para eventos em São Paulo, e são chamados para participar aqui nesse evento. E isso tudo está sendo fabuloso, e eu como público, como profissional e como turista estou adorando tudo, porque isso é uma coisa sem preço.

Read Full Post »

FCG – Fale um pouco sobre sua rotina de trabalho?

GS – Eu trabalho com informática, lá no Rio Grande do Sul, trabalho de segunda a sexta, inclusive nos sábado e nas horas que transcende o trabalho depois das seis e meia é que vou pra casa cuidar da minha esposa, tenho dois filhos e nesse sentido é que sobra tempo para mexe com quadrinhos e para cuida do site TEX BR, no ano 2000, a dez anos atrais, eu tinha a coleção completa do TEX e eu queria compartilha a minha coleção com outras pessoas, porque eu sentia a necessidade de que outros colecionadores de outros locais do Brasil, porque a internet é um veiculo que possibilita você chegar em todo mundo ao mesmo tempo ela é um recurso instantâneo que chega em todo lugar e eu senti necessidade de que aquele material, aquela coleção, que eu tinha completa, outros colecionadores tinham vontade de saber poxa qual é a capa da revista numero tal, qual é a historia do número tal? As pessoas não sabiam por que o cara vai na banca compara um TEX que é uma revista das mais longevas dos Brasil cujo o primeiro número foi em fevereiro de 1971 e ela se mantém até hoje nas bancas já está quase chegando no número 500, o cara vai na banca hoje comprar um TEX tá lá no 480 se ele tem curiosidade de sabe com é que foi a capa do número 1, 20, 70, vai lá no TEX BR e está tudo lá, então essa Tonica motivou a gente a criar o site TEX BR, poder levar as imagens e informações da minha coleção particular para outras pessoas de outros quadrantes do Brasil e fora dele.

FCG – Você acha que o site TEX BR é importante na história dos quadrinhos?

GS – Eu diria que sim, eu não posso falar em causa própria porque eu sou o dono do site, sou a pessoa que faz o site, mas eu posso usar a palavra da critica especializada do Brasil da Europa que aponta o TEX BR.com o maior site do mundo com conteúdo Bonelli, pega a internet mundial que é um oceano de informações sobre todas as coisas inclusive sobre quadrinhos e procura sites que tem conteúdo deste universo, que é o TEX, Zagor, Ken Park, você não vai acha nenhum site no mundo inteiro em qualquer que seja o idioma que tenha tanto conteúdo como nos temos em dez anos de caminhada.

FCG – De onde surgiu a paixão por TEX?

GS – O culpado foi um menino quando eu tinha treze anos chamado Paulo, eu já gostava de ler quadrinho e ele era meu amigo, nos jogávamos futebol juntos no final de semana e um dia, ele sabia que eu gostava de ler revista em quadrinhos e ele disse Gervásio, você já leu TEX? Não, que bicho é esse? Ai ele me disse o TEX é um Cowboy, que vive no velho oeste, levando a justiça a todas as pessoas que estão se sentindo injustiçadas ou oprimidas, Gervásio vou te emprestar uma edição, o numero 6, isto era 1983 eu tinha 13 anos e ele me emprestou, cujo o titulo é o vale do terror, li aquela edição que mexe com um pouco de terror, sobre natural, foi paixão a primeira vista me apaixonei por aquele universo e quando devolvi a revista ao Paulo no dia seguinte disse tem mais, ai ele foi me emprestando outros, porque naquela época eu tinha treze anos e a nossa condição era bastante humilde, não tinha recurso para compra de quadrinhos e daquela edição ele me emprestou outra e mais outra, e quando eu comecei a trabalhar eu pude começar a comprar os meus  próprios TEX e comecei a montar minha coleção.

FCG – Qual a importância desta mostra para a nossa região e para a fundação?

GS – Eu diria toda importância porque essa iniciativa da fundação casa grande dos meninos e meninas da Fundação Casa Grande é digna de louvo em qualquer parte do mundo, eu não digo isso porque fui convidado para vim aqui, não estou dizendo isso porque fui hospedado maravilhosamente bem por toda a população de Nova Olinda, todos muito receptivos, mais eu digo isso pela qualidade e pelo alto quilate das palestras e das pessoas que para cá vinheram, essa mostra é fantástica como disse agora a pouco para a entrevista da TV Casa Grande, porque possibilita um intercambio de informações entre nós mesmo que trabalhamos na área. Embora eu cuide do TEX como colecionador como fã, isso é muito importante porque entre nos mesmo que para cá vinhemos´, jornalistas, produtores de quadrinhos,  divulgadores, desenhistas, roteiristas, quadrinistas, promotores de animação, nós mesmos estamos aprendendo muito mais do que deixando contribuição aqui e se pra nós que estamos no meio isto tem sido de uma riqueza incalculável muito mais ainda tenho certeza para os meninos da Casa Grande.

Read Full Post »

Entrevista com Sidney Gusman

FCG – Conte um pouco sobre o seu trabalho.

SG – primeiramente vou falar do site Universo HQ, eu sou jornalista, é um site especializado em histórias em quadrinhos, que tem noticias, resenhas, matérias, charges, lista dos lançamentos do mês, de tudo que acontece sobre quadrinhos no país, de todos os gêneros, super herói, manga, de quadrinho nacional, de álbum europeu tudo que é noticia em quadrinhos sai no universo HQ, foi lançado já faz 10 anos e por isso ele se tornou a principal referencia sobre historia em quadrinhos no país. O Universo HQ é um trabalho que eu faço sem ganhar dinheiro, é um trabalho que eu faço por amor aos quadrinhos, porque o site não dar dinheiro pra gente e mesmo assim é muito, muito acessado. A 4 anos eu sou responsável pela área de planejamento editorial do Mauricio de Sousa, mais o que é isso? O Mauricio me levou pra lá, imagina o quanto eu sou fã do Mauricio, um cara que escreve sobre quadrinhos desde 1990 e ai eu escrevi um livro sobre Mauricio em 2006, o Mauricio gosto e falou assim pra mim Sidney eu vou montar uma área pra você. E eu falei você está brincado. E ele flou não, eu vou montar uma área pra você criar produto pra mim. Então eu fui pra lá basicamente pra isso, para aumentar a linha de produção do Mauricio de Sousa, então nesse período que eu estou lá uma das minhas alegrias foi ter participado do projeto da Turma da Mônica Jovem que é um sucesso no Brasil inteiro, eu estou resgatando materiais antigos do Mauricio como as tiras clássicas da Turma da Mônica, como a coleção histórica da Turma da Mônica. Vai haver agora uma coleção de livros onde vamos republica todas as historias do Horacio feitas por Mauricio de Sousa, isso tudo passa pela minha mão, além disso eu tenho feito muito livro da Turma da Mônica que não seja de quadrinho, então é livro mesmo, livro ilustrado, sobre lendas brasileiras, adaptação de contos clássicos, historias em quadrões, onde o Mauricio retrata varias obras de artes no traço dele isso tudo passa pela minha mão além disso, lá na Mauricio eu sou responsável por todo e qualquer texto que for sair da empresa sobre o Mauricio passa pelo meu cuidado.

FCG – Você acha que o universo HQ é importante para a história dos quadrinhos?

SG – Isso é uma coisa que me deixa muito honrado e feliz porque é um prazer gigantesco, eu viajar pelo Brasil inteiro dando palestras e chegar aqui, por exemplo, no Cariri e o pessoal vira pra mim dizer assim, Sidney eu acesso o Universo HQ todos os dias, você já divulgou meu trabalho e eu sou só o fanzineiro, eu só faço fanzine, então pra mim, a gente já ganhou muitos prêmios, muito reconhecimento, mais o melhor reconhecimento que tem é o leitor, vira pras você e dizer, eu conheci o Fanzine tal graças a você, porque cara para divulgar o home-aranha, batimam, a gente também divulga, mais tem site do mundo inteiro que faz isso, agora pra divulgar uma molecada que faz um trablho lindo, como você aqui pro mundo inteiro não vai ter gente, mais o Universo HQ vai fazer.

FCG – De onde surgiu esse amor por histórias em quadrinhos?

SG – A minha paixão por historias em quadrinho é um negocio maluco, por que eu comecei a lei quando era criança com a turma da Monica, ai comecei a ler Disney, Asterix, super heróis, mais tarde os mangas, eu não sei explicar a razão por tamanho amor que tenho pelas historias em quadrinhos, mas é como se fosse um bicho que pica agente, é como eu sempre fala a pessoa que a ler quadrinhos quando é criança e se apaixona, se você continuar dando quadrinhos para ela, ela vai ler quadrinhos a vida inteira e  o quadrinho é um vicio do bem que você pode levar por resta da vida, eu costumo dizer isso. Eu falo muito nas minhas palestras é uma grande bobagem alguém dizer, a não quadrinho não é cultura, quadrinho é cultura sim senhor, o quadrinhos trais ali no meio de uma aventura, no meio de uma brincadeira da turma Mônica, no meio de um vou do batimam ou super homem, ali tem cultura sim porque está falando país onde ele é publicado, contando um pouco da história daquele país basta você saber interpretar as mensagens que ali dentro.

FCG – Você já imaginou como seria o mundo sem quadrinhos?

SG – Eu diria o seguinte se os quadrinhos não existissem, eu acho que o mundo seria mais triste é claro que teríamos os livros felizmente eles estariam ai, mais muita gente não teriam ido para os livros, porque muita gente só vai por livros quando passam pelos quadrinhos, os quadrinhos são grande formadores de leitores a pessoa adquire o habito da leitura lendo história em quadrinhos e depois elas passam a ler livros, eu lei muito, leio quadrinhos de mais, mas lei livros, jornal, sites, o habito da leitura que é o interessante de você desenvolver, se a pessoa não gosta nem de ler quadrinhos você acha que ela vai ler o que, nada.

FCG – Qual a importância desta mostra para nossa região?

SG – A importância desta mostra é absurdamente grande, eu falava na entrevista que dei pra TV agora a pouco que eu vim pra cá, eu vou até colocar na minha matéria do universo HQ, teoricamente para ensinar a vocês, passar um pouco da minha experiência, mas eu mais aprendi que ensinei, porque o trabalho que é feito aqui na Casa Grande é uma coisa maravilhosa, eu faço palestra sobre quadrinhos no Brasil inteiro e geralmente o publico que vem, que vai me ver é um publico, que já é leitor, que já conhece meu trabalho, que é colecionador de quadrinhos, aqui tinha um monte de gente que não é que nem conheciam o Universo HQ. Te um monte de crianças, eu vim aqui para ensinar quadrinhos isso foi sensacional, ai a minha responsabilidade aumenta porque eu tenho que despertar o interesse pelo quadrinho e esse é o grande barato, por isso que o pessoal da região aqui por favor prestigiem de mais o trabalho da Fundação Casa Grande, porque isso daqui é absurdamente maravilhoso, a molecada ta aqui com 200, 300 atividades botando a mão na massa, rádio, TV, pra quem não sabe o Rodrigo é um garoto que está me entrevistando e ao mesmo tempo que eles tocam o radio, a TV, tem a banda, eles ajudam na organização do evento, limpam a casa se precisarem, isso aqui é uma lição de vida, mas que um evento, o Cariri é uma lição de vida.

FCG – Deixe um recado para os nossos amigos internautas?

SG – Mantenham esse trabalho vivo, engrandeçam ainda mais esse trabalho e visitem a Fundação Casa Grande, se você gosta de quadrinhos visite a gibiteca, leiam, o acervo que tem aqui é maravilhoso, tem coisa que nem eu tenho e eu sou colecionador dos grandes, mas com um detalhe se você vinher aqui pra ler cuide bem dos quadrinhos que estão aqui, cuide como se fosse seu, não rasgue, não amasse, outra pessoa vai ler depois de você e se você deixar esse habito da leitura pra mais gente com certeza mais gente vai se apaixonar por história em quadrinhos.

Read Full Post »

FCG – Fale sobre seu trabalho?

PM – É uma coisa muito engraçada em relação a Beja, porque Beja é uma cidade pequena e no interior do país, claro que Portugal é um país muito pequeno comparado com Brasil, não tem comparação, ficamos no meio da planície, é parecida com Nova Olinda, tem poucas ruas, igreja, é também uma cidade bonita e é tem muita coisa parecida, outra coisa que temos lá, temos terra mais pequena, os monte que vocês chamam aqui de sítios. A dez anos não acontecia nada ligado a quadrinhos em beja, entre tanto surgiu uma oficina de banda desenhada, onde se aprendia a desenha e a fazer quadrinhos, juntaram cerca de 20 jovens , alguns mais velho que vocês passaram 4, 5 anos e a prefeitura fez uma gibiteca para enquadra estes jovens, porque teremos livros, revistas,  do país e também do estrangeiro, isso ai ajudar muito a formação destes jovens como autores. A parti da formação da gibiteca que foi em 2005, além de ser um espaço onde se pode ler, a gibiteca é também uma espécie de quartel general para fazer outras coisas, que são exposições, oficinas, ateliês, outras idéias, também trabalhamos com as crianças, com os idosos, vamos as casas dos idosos e fazemos banda desenhada com ele, gerando um movimento muito grande na própria cidade e em torno, o que faltava um festival, então a idéia do festival surgiu a parti da conseqüência do que estava acontecendo, o festival dura quinze déias é sempre em maio primavera, porque no verão é muito árido, tem umas planície amarelas, lá temos 46º, 47º, 48º, é muito quente no inverno as vezes temos 6º negativos, maio é mais agradável uns 30º, é com a temperatura que está aqui agora é calor mais é agradável e as campinas estão todas verde, então o que é amarelo na primavera é muito lindo, verde é muito bonito. No festival convidados os autores mais importante do mundo, um serie de autores que vocês têm ai na gibiteca de vocês. Eu sinto um interesse muito grande pelo Brasil e lá em Portugal tem uma cultura muito forte brasileira, além disso, tem vários brasileiros vindo em Portugal e a gente tem amigos brasileiros. Convidamos também muitos autores brasileiros para o nosso festival, mais o Brasil é tão grande que os autores podem ser famosos dependo de sua região, a nossa idéia não era ter só autores famosos em nível mundial é também fazer exposições com autores portugueses e muito importantes com os autores da própria gibiteca.  Então colocamos os autores que estão começando agora perto dos autores que já faze tempo, isso é que é legal. No festival também temos musica, poesia, sempre relacionados com os quadrinhos de alguma maneira, oficinas onde se aprende a desenhar, palestras, são 15 dias de festival, mas sempre com noites especiais, umas de cada autores. O festival não é só de um estilo tem todos os estilos temos muitos autores diferentes.  Tem uma característica muito interessante porque como é uma cidade muito pequenina as pessoas saem da cidade e ficam no campo e fazem ali. Lá em Portugal dois grande festivais é o de amado e agora também o de Beja.

FCG – Qual a importância desta mostra e o que você levaria para o festival de beja?

PM – Uma das coisas que eu gostaria muito de fazer lá em beja é que nós pudéssemos ter a Casa Grande representando o trabalho que ela faz aqui no próximo festival, seria uma coisa fantástica e também para ele conhecerem o trabalho que vocês fazem aqui acho que só a uma palavra, é fantástico, um trabalho fabuloso e eu não canso de dar os parabéns já dei muitas vez e volto a dar, fazem um trabalho lindo e fantástico e são todos vocês, as conversas, a maneira de como somos recebido. Eu já fui a alguns países, França, Itália, Espanha, mais essa é a primeira vez que venho ao Brasil, então tenho uma sensação que nunca tive, sei que estou em outro país mais não me sinto estrangeiro é como se estivesse em casa, e se disse que a parti da semana que vem tu vai viver em Nova Olinda, e u ficava porque me sinto no mesmo bairro me sinto como se estivesse em casa é uma coisa muito agradável e você fazem um trabalho muito formidável fabuloso. E se cada cidade do mundo tivesse uma Casa Grande o mundo seria bem melhor.

Read Full Post »

FCG – Fale um pouco sobre seu trabalho.

ND – Eu sou responsável pela organização de um festival de banda desenhada, um festival de quadrinhos internacional que recebe artista do mundo inteiro, como artista bem conhecidos, estrelas mundiais, como artistas que não são muitos conhecidos e nós fazemos inscrições dessas estrelas ao lado das pessoas que não são conhecidas, modo que os visitantes que vem visitar o festival, possa conhecer coisas novas. Eles podem conhecer Maurício de Souza da Turma da Mônica, mas lá está um autor que ninguém conhece e sim ficam a conhecer. E por isso é um trabalho muito grande, esse ano vai ser o 21º trabalho que fazemos e somos um festival muito importante na Europa.

FCG – Qual a importância que esse festival tem para a cidade de vocês?

ND – Amadora é muito diferente de Nova Olinda, Amadora fica na área metropolitana de Lisboa, mas há uma persistência com Nova Olinda, é uma cidade periférica, isolada também e que vocês não conhece muito bem, não sabem oque nós fazemos e vocês também não. E o festival por um lado, juntou muita pessoa da própria cidade para poder fazer uma iniciativa cultural, porque não existia nada na Amadora e então o festival juntamente com as atividades culturais permitiram que fossem criadas infraestruturas, que fossem criadas programações para as pessoas poderem encontrar e fluir a arte. No caso o festival é inconcreto, não é só importante a nível nacional, mas a nível internacional e serve em 30 mil pessoas e dessas 30 mil pessoas, 12 mil são visitas de escolas de todas as faixas etárias. E por isso é formação publica. Em caso de internacional, o festival na Europa é um festival muito importante, faz parte do calendário e isso projetou o nome da cidade Amadora.

FCG – Em relação a mostra, qual a importância que você acha que tem pra cidade, oque você levaria da mostra para o festival de Amadora?

ND – Pra mim é super importante, por duas razões principalmente, a primeira é pela qualidade do produto apresentado, a segunda razão é pela qualidade da produção e da logística, que vocês organizaram tudo isso muito bem e é fantástico ver como um grupo pode organizar, pode aprender, pode criar em termos de produção um trabalho tão bom. Se a equipe toda quiser ir pra Portugal comigo estão todos contratados, porque é muito difícil encontrar pessoas que trabalham tão bem como vocês. Vocês estão sempre a trabalhar alguma coisa e todos os trabalhos que fazem está sempre disponível a pergunta de quem nós somos, e procuram identidade em quanto as pessoas que moram no Cariri. E partem daí, sabendo quem eu sou eu posso construir um melhor futuro e isso é muito importante para que qualquer lugar possam evoluir, inclusive em ser diferente dos outros. E o fato de vocês fazerem esse projeto em que nós temos um contato direto com as pessoas, diferencia e faz com que criam elos entre as pessoas, oque é muito diferente do turismo habitual e por tanto eu estou muito contente, nunca pensei que aqui fosse um projeto assim e oque eu quero mesmo é que possamos ter um projeto assim também na Amadora, em Portugal, que é um projeto fantástico, que é deslumbrante. Só tenho a agradecer a vocês todos por existir e por me deixarem a participar do vosso trabalho.

Read Full Post »

Older Posts »